Ex-Bota se aventura no time que revelou Salah e conta sobre o futebol no Egito

Atacante Júnior Azevedo defende o Al-Mokawloon

Por Lucas D'Assumpção

O futebol é um esporte onde as incertezas fazem parte do jogo, como uma equipe com menos investimento eliminar um time de massa, um jogador que ninguém espera fazer o gol do título e por aí vai. Mas uma coisa é certa no futebol brasileiro hoje: o jogador tem o sonho de atuar fora do país. Não foi diferente com o Júnior Azevedo, que atualmente veste a camisa do Al-Mokawloon, do Egito.

Revelado pelo Botafogo, o atacante foi parar no clube que revelou o maior jogador da história do país: Mohamed Salah, astro do Liverpool. E em entrevista exclusiva ao Blog De Primeira, ele relatou como funciona o futebol por lá.

“Sobre o campeonato, eles são bem organizados, como no Brasil. A diferença entre o futebol brasileiro e o futebol do Egito é que aqui é muita correria. Então, nem sempre um bom jogador tecnicamente consegue se sobressair. O futebol é muita força e não para um minuto”, afirma.


Atualmente, o  Al-Mokawloon ocupa a 18ª colocação do campeonato egípcio. Conhecido por ter sido o berço do atacante do Liverpool, o clube sonha em revelar um novo craque, de acordo com Júnior.

“Aqui no meu time eles dão muita atenção a categoria de base. Eles acham que podem sair outro jogador da qualidade do Salah”, disse.

Alguns jogadores brasileiros que retornam do Oriente Médio e da região norte da África, onde fica o Egito, relatam que os treinamentos são feitos, na maioria das vezes, na parte da noite por conta do extremo calor. E é exatamente isso que Júnior tem encontrado por lá.

“Os treinamentos são, na maioria das vezes, na parte da noite pelo calor absurdo que é feito aqui”, conta.


Júnior Azevedo surgiu na base do Botafogo e chegou a disputar o Mundial sub-17 com a seleção brasileira em 2007 - na mesma geração que revelou Lulinha, Alex Teixeira e Giuliano, por exemplo.

Sem espaço no Alvinegro, rodou por diversas equipes nos últimos anos, como Cabofriense-RJ, Duque de Caxias-RJ, Bangu-RJ, Boavista-RJ e Olaria-RJ. Até ir para o Egito, defendeu times da Indonésia, da Jordânia e de Omã.

Comentários