Jerry, o jogador brasileiro que tenta a sorte em Macau, o lugar dos cassinos


Meia defende o Windsor Arch Ka I

Por Mateus Marinho

O que você sabe sobre Macau? O De Primeira foi dessa vez para a Ásia e encontrou um brasileiro que joga nessa região que faz parte da República Popular da China, mas que possui sua própria autonomia administrativa e que é reconhecida como a "Las Vegas do Oriente" por conta dos seus famosos cassinos.

Batemos um papo com  o Jerry Porto, meia-esquerda do Windsor Arch Ka I, uma das 10 equipes que disputam a primeira divisão.

“O investimento aqui é bem pequeno, basta olhar as condições para treinos e jogos. Com apenas três campos, os clubes têm que se revezar para treinar e jogar. Por isso não tem treino todos os dias. Eles estão investindo pouco, mas estamos confiando que algo irá acontecer para melhorar a nossa realidade”, disse.


Apesar de hoje pertencer à China, Macau foi um lugar colonizado por Portugal por mais de 400 anos. Tanto que ainda há uma enorme influência do país europeu por lá. O português é, inclusive, um dos dois idiomas oficiais de Macau, que terá a população mais rica do mundo até 2020, segundo informações do Fundo Monetário Internacional.

“É um país muito bom de viver. O único problema aqui é que eles não investem no futebol, ao contrário da China, por exemplo, onde o futebol cresce a cada ano. Mas Macau é um lugar muito organizado e, se tiver um investimento certo, o futebol pode evoluir”.

Jerry conta que mora na China por conta do custo de vida menor. Ele tem que atravessar a fronteira todos os dias de treino - a viagem dura cerca de 1h30. O motivo é bem simples: o clube paga o aluguel dos atletas, e o aluguel médio na China custa algo em torno de R$ 1 mil. Já em Macau o aluguel médio custa cerca de R$ 4 mil.

Atualmente, são mais de 40 hotéis-cassinos em Macau. Eles são, inclusive, a principal fonte de economia da região.



“O forte aqui são os cassinos. Inclusive, o maior do mundo está localizado aqui. Se parte desse investimento fosse para o futebol, a liga seria melhor, os clubes estariam mais fortes e teríamos mais visibilidade”.

Jerry se refere ao The Venetian, um cassino que tem 40 andares e é cercado por sete resorts. Ele possui uma área de cerca de 980 mil metros quadrados e é uma cópia do empreendimento idêntico The Venetian em Las Vegas, nos Estados Unidos.


Jerry rodou por alguns clubes do interior no futebol brasileiro e vive o seu segundo desafio em Macau. Ele primeiro foi contratado pelo Kei Lun e agora veste a camisa do Windsor Arch Ka I, atual vice-líder do campeonato.

Comentários