Lenda na Eslovênia e artilheiro da pré-Champions: a história do pastor Marcos Tavares

Atacante de 35 anos é ídolo do Maribor, principal clube do país

Por Juan Andrade

Quando Marcos Tavares chegou à Eslovênia em janeiro de 2008, jamais poderia ter imaginado que o país mudaria tanto a sua vida. O atacante brasileiro, naquela ocasião, acabava de ser contratado pelo Maribor, de onde nunca mais saiu.

Desde então, se tornou o maior jogador, o maior artilheiro da história do clube, capitão, foi oito vezes campeão da Liga Eslovena e três vezes da Taça da Eslovênia.

Em entrevista exclusiva ao De Primeira, o atacante revelado pelo Grêmio falou sobre a longa relação com o país.

"Quando eu cheguei aqui, não pensei que ficaria muito tempo. Pensei em ficar um ou dois anos e ir para outro clube. Mas, graças a Deus, construí uma história muito bonita. Graças a Deus, sou o maior artilheiro da história do clube, do Campeonato Esloveno e também fiz o gol mais rápido da Eslovênia. Isso é muito bom. A torcida aqui me tem como ídolo. Isso é muito importante para mim", disse o jogador hoje aos 35 anos.

Um dos feitos de Marcos Tavares com a camisa do Maribor foi se tornar o maior artilheiro das fases preliminares da Champions League.


Nesta temporada, por exemplo, o brasileiro marcou duas vezes na competição (contra o Valur, da Islândia, e o Rosenborg, da Noruega), mas o clube esloveno acabou eliminado pelo time norueguês.

"Sou o maior artilheiro das fase de classificação da Champions. Estou hoje com 29 gols. Espero fazer mais uns golzinhos", orgulha-se.

Se dentro de campo Marcos Tavares tornou-se ídolo, fora dele o brasileiro também virou referência no país. O atacante é pastor evangélico em Maribor, na segunda maior cidade do país.

"Quando eu cheguei aqui, eu já era evangélico. Por isso, penso que estou muito tempo aqui, porque Deus tem uma missão para mim, que não é só jogar futebol. Mas também me dedicar ao evangelho, falar que Deus é o único Deus verdadeiro. Quando eu fazia gols, tinha uma camisa por baixo escrito que Jesus é o caminho em esloveno. As pessoas têm essa identificação comigo, porque sou uma pessoa boa, que sabe que Jesus é o caminho. Sou pastor, temos uma igreja, onde pregamos o evangelho. Estou muito feliz com isso", conta.


Apesar de todas as realizações no país europeu, Marcos Tavares guarda apenas uma frustração: não ter tido a oportunidade de defender a seleção eslovena.

Isso só aconteceu porque o atacante jogou pelas seleções de base do Brasil até o sub-23. Algo que acabou impedindo a sua convocação por outro país, apesar de ter conseguido a cidadania eslovena.

"Eu sempre falo que existe um Tavares antes do Maribor e um Tavares depois do Maribor. Meu sonho era ser um jogador de futebol famoso, onde todos iriam me conhecer, ser o artilheiro do campeonato, o artilheiro do país, fazer história. Hoje me encontro na Eslovênia e tenho tudo isso que sonhava. Sou o maior artilheiro, o maior jogador. Eu só não consegui jogar na seleção. Tirei o passaporte esloveno, mas não joguei pela seleção porque joguei na seleção brasileira sub-23. Por isso, não posso jogar pela Eslovênia", lamenta.

Marcos Tavares possui contrato com o Maribor até maio de 2021. Por enquanto, não pensa em se aposentar antes de realizar um outro grande sonho.

"Espero poder jogar mais um além do contrato. Porque meu filho joga no Maribor. Nosso sonho é que eu jogue um ano com ele. Quando ele tiver com 17 anos, eu vou estar com 37. Queria jogar com ele para ter esse privilégio de jogar com meu filho. Depois da aposentadoria, quero ficar na Eslovênia, trabalhar no clube, porque minha família está muito bem adaptada".


Realizado por tudo o que construiu no país que o acolheu e onde construiu família, Marcos Tavares lamenta não ter tido a oportunidade de jogar por mais tempo no Brasil. Além do Grêmio, também defendeu o Athletico-PR e o Porto Alegre-RS.

"Infelizmente não tive no Brasil a carreira que gostaria de ter tido. Mas me encontrei aqui na Eslovênia, sou lenda do clube, o jogador mais famoso. Estou muito feliz de estar aqui", afirma.

Hoje, inclusive, não restam dúvidas: Marcos Tavares é muito mais esloveno do que brasileiro.

"Faz 11 anos e meio que estou aqui. Demorei quatro anos para falar a língua eslovena. Agora, eu tenho o passaporte esloveno, a cidadania eslovena, sou mais esloveno que brasileiro. Até porque meus três filhos nasceram aqui, e a primeira língua deles é o esloveno", encerra.

Comentários