Adaptado à Itália, Murilo fala sobre experiência na Europa e não descarta volta ao Brasil


Jogador de 24 anos defende atualmente o Livorno


O futebol italiano é, costumeiramente, o reduto de muitos jogadores brasileiros. Atualmente, um deles é o ponta Murilo, do tradicional Livorno, que disputa a segunda divisão. 

Após três temporadas em Portugal, atuando pelo Olhanense, ele foi contratado pelo clube italiano em 2016.

Em entrevista ao De Primeira, o brasileiro contou sobre a adaptação no país europeu e ao Livorno.

''O Livorno é um clube que tem seu lugar na minha vida. A minha filha nasceu aqui na cidade, tenho um investimento aqui também. Tenho boas histórias e momentos com o clube. Estou completamente adaptado. Não é fácil. Se eu te dissesse que às vezes não sinto falta do Brasil, eu estaria mentindo. Um país muito bom culturalmente e para o futebol, mas o Brasil é o Brasil. Logo no começo, quando cheguei aqui, imaginava que eles comiam muito macarrão, mas não todos os dias e em todas refeições (risos). Mas já me adaptei também a isso'', conta.


Murilo, de 24 anos, foi formado na base do Barueri-SP e se transferiu para a Europa ainda muito cedo. 

''O convite surgiu através de um empresário que trabalhava com o mercado europeu. Ele me viu em um jogo no Barueri e acabou pintando a oportunidade de um teste. Depois disso, precisei ir bem nos testes para ser aprovado e, graças a Deus, deu tudo certo''.

O destino foi o modesto Olhanense. Por lá, viveu seu melhor momento na temporada 2015/2016, quando marcou 10 gols em 36 jogos.

''Portugal é um país especial, onde a diferença cultural e gastronômica é muito pouca. Então foi uma adaptação necessária e muito útil para minha carreira. Obviamente não estava em um clube de grande expressão no país, mas me ajudou muito, e eu sou muito grato a todos do Olhanense, porque me deram a oportunidade de fazer parte do elenco nesses três anos''.


Hoje, Murilo ainda não pensa em deixar o futebol europeu. Mas o jogador, no entanto, não descartou um retorno ao Brasil para viver a sua primeira experiência profissional no país de origem. 

''Quero continuar na Europa. Obviamente ainda quero voltar ao Brasil, não podemos dizer quando, porque depende sempre das condições e de onde, qual clube. O futebol brasileiro cresceu muito e, dependendo da possibilidade e se for boa, eu voltaria até mesmo agora. Mas até que isso não aconteça, pretendo continuar construindo a minha carreira na Europa'', encerrou.

Comentários